Sobre o meditar

Postado em mar 23, 2014 - Blog

Meditar é simples. Não requer qualquer esforço além do próprio exercício de parar para meditar.

Nós, ocidentais, nos relacionamos com isso há relativamente pouco tempo. Por isso é tão difícil parar e dedicar um tempo à meditação. Estamos em processo, aprendendo a lidar com essa ferramenta.

No entanto, as várias idealizações sobre a meditação nos deixam ainda mais longe de vivermos essa experiência em nossos dias. Escuto muita gente que chega pra mim dizendo: “meditação não é pra mim, não consigo parar de pensar”.

Tentar parar de pensar pode lhe proporcionar uma forte e grande dor de cabeça. Parar de pensar pode ser um resultado de um tempo de prática, mas não é algo a ser buscado.

Na meditação que levo comigo não há certo nem errado.
Não há metas, objetivos. Não há uma meditação melhor ou pior que a outra.

É a meditação por ela mesma e só. Antes e além dos vários incríveis resultados de pesquisas dos muitos benefícios que a meditação traz para a vida de quem a pratica (e olha que existem vários outros detalhes que nem as pesquisas conseguem medir).

É uma escolha que não pretende chegar a qualquer lugar. Até porque, nesse sentido, querer chegar a algum lugar é o primeiro passo para se afastar ainda mais desse lugar.

Eu não “tenho que” meditar.
É apenas uma escolha, tão válida quanto qualquer outra, inclusive a de não meditar.

Eu paro, encontro uma posição confortável (sem querer dar nó nas minhas pernas), fecho os olhos, tomo algumas respirações profundas e, simplesmente, permito.

Não brigo.
Autorizo e observo.
Me aceito.

Arthur Belino